Redes de Desenvolvimento Territorial da América Latina avançam na consolidação de uma agenda de trabalho internacional conjunta

O IV Congresso Internacional de Gestão Territorial para o Desenvolvimento Rural, realizado de 17 a 20 de outubro no México, marcou mais um passo na consolidação de uma agenda de trabalho internacional conjunta entre as Redes que atuam nessa área. Organizado e promovido pelas Redes de Pesquisa e Gestão Territorial para o Desenvolvimento Rural do Brasil (RETE), do México (Red GTD) e da Colômbia (Rede GTD-PAZ), o evento reuniu especialistas de cinco países: México, Brasil, Colômbia, Equador e Costa Rica.

Partindo da premissa de que foram feitos avanços significativos no campo das ideias sobre o enfoque territorial de desenvolvimento, os participantes deste IV Congresso concluíram que ainda não há correspondência entre as teorias e a implementação de políticas públicas que se traduzam em ações que efetivamente representem a diminuição das desigualdades presentes nos espaços rurais. Daí a necessidade de se buscar o desenvolvimento de ações que permitam levar os conceitos à prática e, desta forma, alterar a realidade dos mundos rurais nos países da América Latina.

“Territórios constroem-se a médio e longo prazo, numa sinergia muito complexa entre a natureza e a ação antrópica, e é uma enorme dificuldade fazer com que eles sejam eficientes, sistêmicos e sustentáveis. Essa é uma tarefa que provavelmente necessita de muita perseverança, consciência e vontade política forte”, observou o espanhol José Emílio Guerreiro, da Universidade Córdoba, logo na abertura do evento. “Mas também é certo que nos últimos anos tem havido um avanço neste contexto, particuularmente na América Latina.”

Conclusões

 

Para se chegar às conclusões finais do IV Congresso Internacional de Gestão Territorial para o Desenvolvimento Rural foi utilizada a metodologia de café mundial, na qual os participantes foram divididos em grupos de trabalho, separados de acordo com os três grandes temas do evento. “Nesses grupos nós aprofundamos o trabalho, tentando identificar linhas de ação para cada uma das temáticas”, resumiu Mireya, que é Diretora Presidente da RETE e apresentou as conclusões de um desses grupos. Entre as principais proposições surgidas, destacam-se:

*Estruturação de um Curso de Especialização sobre Desenvolvimento Rural com Perspectiva Territorial, composto por diversos módulos, como Agricultura Familiar, Desenvolvimento Rural, Abordagem Territorial e Mercados, temáticas que unem e interessam a todos os integrantes das Redes do México, da Colômbia e do Brasil que participaram do evento. Essa especialização seria organizada pela RETE, com a participação de especialistas das outras Redes, que atuariam como docentes. O curso seria aplicado de forma virtual, por meio da plataforma de um dos principais parceiros da RETE, que é o Centro de Pesquisa e Inovação, Gestão e Sustentabilidade (CPGIS).

*Estruturar um Programa de Pesquisa Internacional sobre Segurança Alimentar e Gestão Territorial integrando as Redes do Brasil, México e Colômbia. Esta é uma iniciativa que une os interesses das três redes e tem muito a ver com as linhas de ação e dinâmicas que estão sendo construídas atualmente, principalmente na Colômbia.

*Manutenção e ampliação de uma plataforma de indicadores de eficiência. A iniciativa já vem sendo desenvolvida e liderada entre a UnB – por dois integrantes da RETE, que são Kayton Ávila e Alexandre Maduro – com a Rede Mexicana. A ideia é trabalhar esta plataforma para outros tipos de indicadores além dos já definidos e, nessa perspectiva, poder convidar aos colegas Colombianos para que façam parte do projeto. Para viabilizar a criação, manutenção e atualização dessas plataformas, o professor Maduro destacou durante o Congresso a importância da criação do I3GS, um instituto internacional que ficará sob a gestão executiva do consultor Kayton Ávila e apoiará a academia na execução de suas pesquisas. Além do apoio científico, ele divulgou, em primeira mão, o programa de certificação em eficiência que está sendo desenvolvido pelo I3GS e convidou as Redes para implementarem programas similares em seus países.

*As três Redes (Brasil, México e Colômbia) conversaram sobre a possibilidade de juntarem-se ao XII Fórum Internacional de Desenvolvimento Territorial, na Colômbia, em novembro de 2018. Haverá uma convenção preparatória, que está sendo fortemente apoiada por especialistas da RETE, e a intenção é a de que o V Congresso Internacional de Gestão Territorial para o Desenvolvimento Rural seja realizado paralelamente ou de forma conjunta a este Fórum.

“Essas ações nos permitem cada vez mais fortalecer e unir diversas Redes em volta de uma temática que nos interessa a todos, que é o desenvolvimento dos espaços rurais, com perspectiva territorial, para avançar na redução das desigualdades em nossos territórios”, finalizou Mireya.

Texto: Ana Cristina Rosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*