RETE completa dois anos com avanços e parcerias consolidadas com Redes da América Latina

A Rede Brasileira de Pesquisa e Gestão em Desenvolvimento Territorial (RETE) completou dois anos na última quinta-feira (23). Nesses 24 meses, esta Sociedade Civil integrada atualmente por 63 componentes – docentes de ensino superior, pesquisadores em instituições públicas e privadas, e profissionais que exercem atividades compatíveis com seus objetivos – tem muito a comemorar. Afinal, foi um período de bastante trabalho, mas também de muitas realizações.

Uma delas é a consolidação da parceria estabelecida com as demais Redes Latinas, que vêm se firmando a cada ano. Dessa forma, a RETE tem como seus principais parceiros a RED GTD Paz, da Colômbia, e a RED GTD, do México, e a RED Políticas Públicas y Desarrollo Rural em America Latina, além dos parceiros brasileiros Centro de Pesquisa em Gestão, Inovação e Sustentabilidade (CPGIS), ambos da Universidade de Brasília (UnB).

A visão da RETE é consolidar-se como uma Escola de Pensamento sobre Desenvolvimento Territorial que produza conhecimento e informação para o aprimoramento e criação de estratégias para um desenvolvimento inclusivo e sustentável. Nesse sentido, tem por missão atuar na gestão e na construção de conhecimento e informação sobre dinâmicas territoriais, visando o aprimoramento e criação de estratégias que favoreçam um desenvolvimento inclusivo, sustentável e solidário.

Com essa visão, em 2015 a RETE executou o projeto “Doze anos do Desenvolvimento Rural Sustentável, Como vamos?”, uma pesquisa comparada, financiada pelo Centro Latino-Americano de Desenvolvimento Rural – RIMISP. A finalidade foi estudar o Programa Desenvolvimento Sustentável de Territórios Rurais em oito casos localizados nas cinco macrorregiões do Brasil. No mesmo ano, publicou o Dossiê da revista ReGIS/UnB sobre “Territórios e Desenvolvimento Rural, fomos além do agrícola?”

Nesses dois anos, foram estabelecidas parcerias com as Redes de Pesquisa e Gestão Territorial da Colômbia e México com o objetivo de realizar intercâmbios, desenvolver projetos de pesquisa comparada e eventos acadêmicos. Nesse sentido, em 2014 foi realizado na Cidade do México o I Congresso entre Redes. A segunda edição ocorreu em 2015 em Bogotá, e o terceiro Congresso Internacional Gestão Territorial para o Desenvolvimento Rural se deu em Brasília, em 2016, organizado pela RETE no Brasil na Universidade de Brasília (UnB), com apoio das redes do México e da Colômbia. O tema em bate foi “Mudanças globais e locais e suas implicações para as dinâmicas de desenvolvimento territorial”.

Este ano, o IV Congresso Internacional de Gestão Territorial para o Desenvolvimento Rural realizou-se no México, organizado e promovido pelas Redes do Brasil, do México e da Colômbia. O evento integrou-se ao trabalho desenvolvido há quatro anos pelas RETE em torno do tema da gestão territorial da América Latina num esforço para consolidar uma agenda conjunta.

Entre as ações desenvolvidas pela RETE em seus dois anos de existência, em parceria com o CPGIS (UnB) está em andamento a estruturação de um observatório da gestão territorial alimentado por uma rica base de dados sobre dinâmicas econômicas, sociais e ambientais de territórios brasileiros que ajudará nas pesquisas e formulação de políticas públicas para o desenvolvimento rural.

Além disso, este ano a RETE participou da organização e da realização da Convenção Preparatória ao XII Fórum Internacional de Desenvolvimento Territorial, evento que teve por finalidade receber contribuições conceituais e metodológicas sobre temas a serem tratados Fórum 2018 na Colômbia. Foram levantados assuntos já debatidos nos eventos anteriores a respeito da experiência da América Latina na implantação de políticas públicas focadas no desenvolvimento territorial e também questões referentes ao processo vivenciado na Colômbia por conta da implantação do Acordo de Paz.

Em meio a um processo de ruptura no sistema político brasileiro, no qual há mudanças profundas na institucionalidade governamental, a Universidade de Brasília foi sede da “III Jornada de Agricultura Familiar: Rupturas, Resiliências e Políticas Públicas”, evento organizado pela RETE no começo de novembro. No encontro, foram debatidos os seguintes temas: “Políticas Públicas para a Agricultura Familiar: Avanços, rupturas e desafios”; “Políticas públicas para os povos do campo: conquistas, rupturas e possibilidades”; e “Rupturas e Resiliências: Desafios para agricultura familiar e novas agendas de pesquisa”.

“Estamos muito satisfeitos com os resultados alcançados pela RETE nesses dois anos”, afirmou a Diretora Presidente da Rede, Mireya Valência Perafán. “O que desejamos é continuar crescendo em número de associados e em termos de consolidação de nossas parcerias para avançarmos cada vez mais nos estudos sobre o desenvolvimento territorial do Brasil e da América Latina. Estamos de parabéns pelas conquistas que fizemos, mas ainda temos muito a avançar.”

Texto: Ana Cristina Rosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*